Estréia na TV do documentário de longa-metragem "Aikewára. A ressurreição de um povo"

SOBRE O EVENTO

Início: 17/12/2017 21:00
Fim: 17/12/2017 22:00

O episódio ainda não contado da Guerrilha do Araguaia é o tema de Aikewára — documentário de longa-metragem, sob a direção do cineastaLuiz Arnaldo Dias Campos e Célia Maracajá. O documentário conta a saga dos índios Aikewára durante a ditadura militar no Brasil. O filme terá sua exibição de estréia no próximo dia 17 de dezembro, às 21 horas, na TV cultura.

Além dos relatos dos indígenas sobre sua história, desde os combates imemoriais com os Kayapós, os primeiros contatos com os brancos e a terrível experiência com as tropas do Exército durante a repressão à Guerrilha do Araguaia, foram colhidas imagens do cotidiano e registrada a experiência da Comissão da Verdade Suruí — a primeira comissão indígena formada para levantar os fatos ocorridos durante a ditadura militar (1964-1985). 

Para os idealizadores do projeto, a vontade dos Suruí de romper um silêncio de mais de quarenta anos faz parte da sua última ressurreição. A violência da ocupação militar da aldeia resultou na perda de importantes tradições –festas, danças, hábitos- que deixaram de ser praticadas e, portanto não foram repassadas à geração mais jovem. Agora, juntamente com a formação da Comissão, muitos Suruí — alguns deles bem jovens — se empenham na recuperação de sua cultura, inclusive a língua que continua a ser praticada, principalmente pelos mais velhos que viveram os horrores da presença militar e que começam agora a contar esta parte dolorosa de sua história.

Aikewára Suruí

Os Aikewára Suruí são um povo de sobreviventes acostumados à ressurreições. Em meados da década de 60 estavam reduzidos a trinta e três indivíduos, como resultados das doenças trazidas pelo homem branco e a implacável caçada promovida pelos donos de castanhais e seringueiros do sul do Pará. No começo dos anos 60 enfrentaram a mais dura provação, anunciada pelo pouso na aldeia de improváveis helicópteros militares. Eram as forças do Exército empenhado na luta contra a Guerrilha do Araguaia. A partir daí foi como se a terra se abrisse e o céu desabasse sobre suas cabeças. Foram mantidos prisioneiros dentro de sua própria aldeia, impedidos de cultivar suas roças e de caçarem no mato, sofrendo fome, violências, abusos sexuais. Alguns de seus guerreiros, sob ameaças, foram obrigados a servir como mateiros auxiliando as tropas militares numa guerra estranha e para eles incompreensível.

Assistam dia 17 de dezembro, 21 horas, na TV cultura (02 VHF analógico/41 UHF digital).